eusouminhashistorias

Nesta vida não tenho muitas conquistas materiais, porém as histórias são diversas. Quem eu seria sem minhas histórias? Não seria eu.

terça-feira, 23 de março de 2021

Ao tio Vitor

Meu querido tio, Difícil imaginar que aquele nosso último encontro, em Arrozal, com grande parte da família tenha sido de fato nosso último encontro. Tá certo que desde que vim morar pra estes lados a gente se via pouco, mas com a notícia de hoje, que você tenha nos deixado assim tão rápido veio a certeza que eu nunca mais vou poder ouvir suas histórias, piadas e brincadeiras. Coisas que um dia foram parte tão importante da minha vida. Hoje em dia conto muitas histórias aos meus filhos de como era minha infância. Nas histórias que mais gosto de contar eu as levo pra Jacuba. E pra mim é difícl pensar numa lembraça de lá sem que você, a tia, a Isabele e o Marcel não estejam juntos. Como nos divertímos quando vocês descrobriram que aquela câmera estava sem filme. Como eram aventureiras aquelas pescarias já ao anoitecer quando a gente, as crianças, passava o tempo todo dando é banho em minhocas. Como adorava ouvir suas próprias aventuras, como aquela vez que você e um amigo roubaram uns cavalos e resolveram que era uma boa idéia entrar montado na escola. Ou daquelas tantas quando você estava no projeto Rondon. Sempre ouvia com muita atenção como era sua batalha pra ficar longe da bebida… Ir pra casa da Vó Anesina era também ir pra sua casa. Vocês no começo de minhas memórias moravam bem pertinho dela… e logo depois já encima. Não tinha vez que por aí estávamos que não fazíamos churrascos, seja lá na área de vocês ou mesmo na rua. Nossos passeios à praia no final de ano, depois as bocas nervosas em Arrozal ou e Maringá. Aquele encontros nunca teriam sido os mesmos sem você, sua alegria, suas habilidades de churraqueiro e seu incrível jeito de brincar com as crianças. Acho que posso aqui falar também por todos os meus primos… como a gente gostava do tio Vitor!!!! Como já escrevi acima… difícil acreditar que nosso encontro em Arrozal tenha sido nosso último encontro… já se passam quase dois anos daqueles dias… uns dias tão especiais nos quais meus filhos puderam viver como era gostoso estar com você. Naqueles dias eu dei a eles uma das coisas mais bacanas da minha infância: meu tio Vitor!!! Tio, foi tudo muito rápido… há três semanas recebi a notícia de que você estava doente. Que tristeza… estou aqui com muitas saudades. Saudades de você, da minha tia, da Isabele e do Marcel. Mande por favor minhas lembraças pra Vó Anesina quando você encontrar ela por aí. Um grande beijo tio!!! Felipe

quarta-feira, 17 de março de 2021

Esconde-esconde

A gente estava no Veluwe. Passeando com a família. Tínhamos levado os walktie talkies que Mamãe tinha dado ao Gael, em nome do Sinterklaas.

As crianças andavam mais a frente, perto da Mamãe... fui me esconder e fiquei dando dicas pelo walkie talkie. Até que as crianças me acharam. A Mamãe foi se esconder também. Ela escolheu um lugar bacana. E de lá mandou dicas pras crianças a acharem. 

Logo depois o Gael falou.

- quero me esconder!

Aí respondi:

- vai lá!

A mamãe me olhou e disse: 

- como assim? a gente não pode deixar ele ir se esconder sozinho no bosque. 

- Su... fique tranquila. Ele vai se esconder no mesmo lugar que você acabou de se esconder.  Ele vai ficar pertinho da gente.

- Como você sabe? - perguntou a Mamãe.

- Eu conheço meu filho... 

E lá se ia, o Gael, se esconder atrás da mesma árvore escolhida pela Mamãe.

 

sábado, 6 de fevereiro de 2021


 

A mamãe tinha ido passar um final de semana fora. Ficamos os três em casa. Dormimos juntos lá em baixo. Eu no meio de vocês dois.
Acordei feliz. Tinha passado vários dias pensando sobre como as coisas andavam bem aqui em casa. E mesmo com todos os contratempos desta pandemia, achava que nossa vida é simplesmente muito boa. Vocês são simplemente muito bacanas. Decidi que ao acordar ia falar pra vocês como estava feliz e como é gostoso ser papai de vocês...

Abri meu coração... Gael, você ouviu o que eu disse e falou:

- Papai, você têm falado bastante coisas assim.

- A é? quer que eu fale menos? 

Você e sua irmã olharam um pro outro e depois pra mim: 

- Nããããããããooooooooo!


O esquecedor

 

Eu tinho ido te pegar ao final de sua aula de ginástica olímpica.. você saiu feliz. Te perguntei como tinha sido a aula.

Você me olhou e falou: 

- Não sei papai.

- Como assim não sabe? Sua aula acabou de terminar. 

- Ah... não sei mais. Sou um bom esquecedor.

- A é? Você não se esqueceu o nome do papai né?

- Hum... 

- Qual o nome do papai?

- Esqueci!

terça-feira, 24 de setembro de 2019

Irmãos




Você e seu irmão tinham pedido pra dormir juntos, no colchão grande que ainda estava no chão.
Vocês se deitaram, cad
a um do seu lado, casa um com seu edredom. A mamãe tinha colocado vcs pra dormir, mas vc disse logo que ela saiu que vc não conseguia dormir aquela noite. Logo eu desci. Você chorava, quase que desesperada. Estava imaginando a guerra.
O final de semana tinha sido dedicada à guerra, com comemorações da batalha de Arnhem por toda a cidade. Na manhã tínhamos ido ao cemitério de guerra pra relembrar os soldados que lutaram aquela batalha perdida que deveria libertar nossa cidade e depois acabar com a guerra o mais rápido possível.
Eu te abracei, mas nada te fazia se acalmar. Você tinha medo, e não queria que eu me levantasse. Eu te falei: " você não está sozinha. Seu irmão está aqui com você".
Ele se aproximou... encostou o rosto dele no seu, vocês respiravam o mesmo ar... ele começou analisar seus cabelos. Vocês fecharam os olhos e dormiram assim...
Quem chorou agora foi eu...

terça-feira, 31 de janeiro de 2012


Volta Redonda, Janeiro de 2012

- Vó, eu estou indo embora.
- Mas você já vai meu filho? Fica mais um pouquinho!
- Não dá vó... tenho que ir.
- Então vai com Deus meu filho. Eu vou rezar por você.
- Obrigado vó. A Senhora fica com Deus também.
- Não vou ficar não meu filho. Eu já estou indo embora também.
- Pra onde vó?
- É... eu estou indo. Já estou muito velha, né?
- Mas quando a senhora for, vai ser bom ter a senhora lá em cima olhando e rezando pela gente.
- É, mas aí eu vou ter que levar um binóculos, né.