Nesta vida não tenho muitas conquistas materiais, porém as histórias são diversas. Quem eu seria sem minhas histórias? Não seria eu.

domingo, 18 de maio de 2008

Pare!


Sábado de manha, ruas vazias. Ia tranquilo.

- O senhor poderia encostar?

A pergunta foi colocada de uma maneira educada, mas ela era cheia de ordem. Não tive dúvida, com súplicas internas (“multa não! Por favor!!!”) encostei logo a frente.
O primeiro encostou ao meu lado, e segundo parou um pouco mais adiante, pra dar cobertura.

- O senhor acabou de passar por um sinal vermelho.

Poderia dar um perdido, fingir que não entendia o que ele estava falando... tinha poucos segundos pra reagir... descartei esta opção.

- Pois é, passei sim.

O outro só olhava... se depender da cara dele vou ter que pagar mesmo.

- Por que o senhor fez isso?

Não havia carros, era uma cruzamento pequenino, daqueles que todo mundo já fingiu não ver um dia... não tinha qualquer motivo pra ter feito isso. Fiz por pura preguiça de parar, e depois ter que acelerar... menti.

- Estou com pressa, e como não vinha ninguém, passei.

Eu nunca fui multado na vida! Nem naqueles radares mandraques da Tamoios... Mas acho que desta vez não passa. A cara do outro policial continuava a mesma.

- Então o senhor fez isso com consciência...

Só fiz uma cara concordando que tinha feito algo errado mesmo mas que, de alguma forma, mostrava um certo arrependimento.

Acho que a cara foi boa... pelo menos o coração daquele policial era, ele me pediu pra não repetir o gesto, me deu bom dia e se foi.
O outro nem bom dia deu. Se eles revezarem as funções (quem aborda e quem dá cobertura), a próxima “vítima” vai pagar a multa com certeza.
Fiquei aliviado, afinal, tomar minha primeira multa de trânsito por passar num sinal vermelho de bicicleta seria muito cruel!

Eles saíram na minha frente, também pedalando. Pra não correr riscos de vê-los mudarem de idéia e mostrar que realmente estava com pressa, o que não era verdade, me aproveitei que pra bicicletas não há limite de velocidade, pedalei bem forte e, fingindo que não os via, passei os dois como um foguete...

Um comentário:

rodrigo disse...

Fala Sao Jusa!!! Depois de mto tempo estou aqui!!!

Passei por algo parecido na Australia... fui parado pois estava sem capacete. Tive q descer da bicicleta e empurra-la ateh chegar na escola (e fui parado dentro de um parque... nao tinha nem carros).

Abracao e tudo de bom! Bj para a patroa!